Endometriose: uma das principais razões da infertilidade feminina



 

Especialista fala sobre a enfermidade que atinge mulheres de todas as idades e o que fazer para conseguir engravidar

Endometriose

Cólica crônica e dificuldade para engravidar são alguns dos sintomas de uma patologia que atinge de adolescentes a mulheres adultas: a endometriose. Suas causas não são muito claras e o tratamento varia em cada caso, mas somente seu nome já causa desconforto, pois a doença é considerada uma das principais razões da infertilidade feminina, atingindo de 10 a 15% das mulheres em idade fértil.


 

A endometriose é uma doença com uma diversidade clínica enorme, tanto que ao longo dos anos vem ganhando importância cada vez maior por interferir diretamente com a qualidade de vida de uma jovem saudável, além de ser importante causa de infertilidade. Estudos com grupos específicos de mulheres com dor pélvica ou com dificuldade para engravidar mostraram que a prevalência da endometriose beira os 40%.

 

Partindo do princípio que uma mulher vai ao ginecologista regularmente, sabe que tem endometriose e quer engravidar, é necessário acompanhar a evolução da doença de perto. “As avaliações clínicas e os exames complementares pertinentes são individualizados, dependendo da gravidade da doença e da dificuldade ou não para engravidar espontaneamente. Ou seja, serão adequadas caso a caso”, explica Dr. Diogo Rosa, um dos coordenadores do setor de endoscopia ginecológica do Grupo Perinatal.

 

Abaixo, Dr. Diogo Rosa responde a algumas perguntas sobre a relação entre endometriose e infertilidade:

 


  1. O que é a endometriose?

Nada mais é que uma condição na qual o endométrio, mucosa que reveste a parede interna do útero, cresce em outras regiões do corpo. E essa formação de tecido sobressalente, normalmente, aparece nos ovários, intestino, no reto, na bexiga e na membrana que reveste a pélvis, embora possa aparecer em outros órgãos.

 

  1. Há sintomas? Como posso saber se tenho?

Pode se manifestar com muita dor ou se apresentar de forma silenciosa, portanto o diagnóstico é feito com base na história clínica da paciente, correlacionado ao exame físico e ginecológico. Como os sinais da doença podem passar despercebidos, mascarando a gravidade da lesão, é importante ir ao médico regularmente. O diagnóstico de certeza da endometriose só é feito através da biópsia da lesão encontrada, o qual é, geralmente, feito através de um procedimento cirúrgico. Não existe prevenção para a endometriose.

  1. O que uma mulher com endometriose deve fazer se quiser engravidar?

Por ser uma causa possível de infertilidade, a mulher sabidamente portadora de endometriose deve fazer acompanhamento com o seu ginecologista para avaliar a evolução da doença. As avaliações clínicas e os exames complementares pertinentes serão individualizados, dependendo da gravidade da doença e da dificuldade ou não para engravidar espontaneamente. Ou seja, serão adequadas caso a caso.

  1. O uso desses métodos contraceptivos, como pílulas e DIU, influencia nesse processo?

Sim. Essas substâncias podem servir como tratamento da endometriose. O controle clínico da doença é feito através do uso de terapia hormonal. Existem diversas opções para este tipo de terapia, através de pílulas a base de progesterona isolada, terapia hormonal combinada (anticoncepcionais), medicações injetáveis e em casos específicos até o DIU medicado com progesterona.

*São perguntas diferentes, porque a primeira questiona se usar contraceptivo afeta de alguma maneira o organismo, se piora ou melhora (no caso de ovário policístico, por exemplo, tomar pílula alivia os sintomas).  A segunda pergunta é voltada ao que se fazer para se livrar da doença.

 

  1. Quais os tipos de tratamento?

A escolha do tipo de tratamento a ser utilizado depende de vários fatores, mas pode ser feito clinicamente, à base de hormônios, ou com intervenção cirúrgica, em casos específicos, para a retirada de focos da doença. Existem diversas opções para o controle clínico hormonal. Pode-se utilizar progesterona isoladamente ou terapia hormonal combinada, como os contraceptivos orais. Usam-se também medicações hormonais injetáveis e, em casos específicos, um dispositivo intrauterino (DIU) à base de progesterona.

 

  1. Qual a rotina dessa mulher que deseja engravidar?

Levando em consideração que o tratamento deve ser individualizado, a paciente que deseja engravidar deve seguir uma rotina de avaliação periódica com o ginecologista. O intuito é avaliar a evolução da doença, uma vez que a endometriose pode interferir negativamente na fertilidade, tanto pela possibilidade da doença levar a alterações na anatomia do sistema reprodutor feminino (trompas e ovários), como também pela ocorrência, em alguns casos, de alterações imunológicas causadas pelo processo inflamatório crônico, advindo da doença. Assim, a rotina de uma paciente que deseja engravidar deve estar pautada em uma boa relação médico-paciente, para que se possa fazer o melhor acompanhamento da evolução da doença, com exames periódicos pertinentes.

 

  1. A questão da idade influencia no tratamento?

Podemos analisar esta questão, subdividindo-a em dois aspectos: o tratamento da endometriose em uma paciente que quer engravidar e o tratamento evolutivo da endometriose fora da perspectiva de uma gestação. Na paciente jovem que quer engravidar o tratamento deve ser precoce e, em alguns casos, a conduta tende a ser mais intervencionista objetivando o sucesso da gravidez. No segundo caso, deve-se levar em conta que a endometriose é uma doença da mulher que menstrua, doença do período fértil, com influência hormonal. Sabe-se que na menopausa os sintomas tendem a atenuar-se bastante ou até mesmo a desaparecer. Deste modo, quanto mais próximo ao período da menopausa, mais conservador tende a ser o tratamento, procurando poupar ao máximo a mulher de um procedimento cirúrgico.

 

  1. Quando deve acontecer uma intervenção cirúrgica?

A cirurgia é uma das opções de tratamento, que não deve ser generalizado. Cada caso deve ser avaliado individualmente e a decisão sobre a melhor proposta terapêutica será tomada em conjunto, médico e paciente, após avaliarem todas as opções disponíveis. A escolha deve levar em conta o objetivo principal da paciente, que pode ser: melhora da dor, tratamento de infertilidade ou evitar progressão da doença para órgãos próximos, como intestino e vias urinárias.

A decisão sobre a melhor forma de tratamento deve ser discutida com um especialista, bem como o acompanhamento do caso, de forma a amenizar os males que a doença possa causar. Para o Dr. Diogo, o que tem de positivo nisso tudo é que houve um avanço considerável na investigação e no tratamento da endometriose. “O que proporciona bem estar às pacientes, possibilitando em inúmeros casos que as mulheres com dificuldade de engravidar possam constituir suas famílias”, comenta.

Gostou deste conteúdo? Não esquece de compartilhar com aquela sua amiga que também vai amar!
Beijos e até a próxima. Fique por dentro das novidades em nossas Redes Sociais:

Instagram.com/Magazine.Feminina
Twitter @MagFeminina
Pinterest.com/MagazineFeminina
Facebook.com/MagazineFeminina

♥ Muito Obrigada pelo Carinho! ♥