A mulher e dupla jornada: velhos conhecidos

mulher-e-dupla-jornada-velhos-conhecidos
*Marcia Serra
Apesar das conquistas femininas, muito ainda temos que avançar com relação ao trabalho feminino. O primeiro passo é entender que a mulher não está entrando para o mercado de trabalho somente agora, uma vez que sempre desempenhou importantes papéis no modelo de produção familiar, trabalhando na roça, juntamente com marido e filhos. E, ainda assim, só recebia reconhecimento pela responsabilidade na manutenção do equilíbrio doméstico, o que já demostrava a dupla jornada das mulheres brasileiras.
Em 1920, nas indústrias paulistas as mulheres representavam 29% da mão de obra e 58% no ramo têxtil, somente a partir da década de 70 que a participação feminina passa a abranger outras camadas sociais. Esses dados históricos mostram que o modelo de pai provedor e mãe responsável exclusivamente pelo lar existiu apenas para algumas classes socioeconômicas que não representavam a maioria da população.
O segundo equívoco é colocar as mulheres como as responsáveis pelas tarefas domésticas, pelo cuidado com os filhos, enfermos e idosos, essa responsabilidade deve ser compartilhada com o marido, e até mesmo com outros membros da família.
Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) revelam que entre 2004 e 2014, houve redução nas horas dedicadas, pelas mulheres, aos afazeres domésticos (de 22,3 para 21,2 horas semanais), sendo que os homens mantiveram o mesmo tempo, 10 horas. Ainda assim, é comum encontrarmos mulheres dizendo “meu marido ajuda nas tarefas domésticas”, entretanto o termo “ajuda” traz implícito a ideia de colaborar com a tarefa que é de outra pessoa, sendo que na realidade a divisão deve ser igual, pois é de responsabilidade de todos que usufruem desses serviços.
O simples compartilhamento das obrigações domésticas possibilitaria alteração na forma como as mulheres são vistas fora de casa, uma vez que o homem que tem essa divisão no seu ambiente familiar, leva esse outro olhar para o mercado de trabalho, o que poderia levar a uma menor diferença entre cargos e salários.
*Fonte: Marcia Milena Pivatto Serra é professora da Universidade Presbiteriana Mackenzie, campus Campinas. Possui graduação em Bacharel e Mestrado em Estatística pela Universidade Estadual de Campinas (1988 e 1992, respectivamente) e Doutorado em Demografia pela Universidade Estadual de Campinas (2003).
Informações para a imprensa:
Assessoria de imprensa: Ricardo Viveiros & Associados – Oficina de Comunicação
Celular do Plantão: (11) 9.8169-9912
E-mail principal: imprensa@mackenzie.br
Fique conosco por mais tempo! Inscreva-se em nossas redes sociais abaixo para receber automaticamente novidades, promoções e lançamentos:
Seguir a Magazine Feminina via Facebook
Seguir a Magazine Feminina via Instagram
Seguir a Magazine Feminina via Twitter
Seguir a Magazine Feminina via Pinterest
Seguir a Magazine Feminina via Google Plus

Se quiser, inscreva-se também para receber nossos conteúdos selecionados por e-mail e deixe seu comentário sobre esta postagem no formulário abaixo.
Muito obrigada pelo carinho =D






Produtos Recomendados

Silvia Rehn
Diretora de Conteúdo da Magazine Feminina, Gaúcha morando no Rio de Janeiro, Publicitária com Especialização em Planejamento de Comunicação e Marketing de Conteúdo.

Comente Aqui 😍 Vamos amar conhecer sua opinião! 👏👏👏

Please enter your comment!
Please enter your name here