Doença Celíaca e o Glútem > Entenda tudo sobre o assunto!


A doença celíaca é uma das doenças mais comentadas dos últimos anos, com a ajuda do Dr. Adagmar Andriolo, saiba tudo sobre esta doença.

O glúten é uma proteína presente em cereais, como o trigo, centeio e a cevada. Algumas pessoas desenvolvem intolerância ao glúten, e como consequência disso, geram as doenças celíacas.

Essas doenças são autoimunes bem definidas, que é quando o sistema imunológico do organismo passa a produzir anticorpos que agridem algumas estruturas do próprio indivíduo. Ou seja, como parte da reação inadequada à presença do glúten na alimentação, os portadores da doença celíaca reagem automaticamente de forma agressiva ao seu próprio organismo, e esta agressão resulta em lesões das paredes do intestino. Com isso, a pessoa passa a não absorver adequadamente vários nutrientes importantes para uma alimentação saudável.

O fator desencadeante da doença é, a reação imunológica do organismo, contra uma substância chamada gliadina. A Gliadina é uma proteína de glúten encontrada no trigo, na cevada, no centeio e na aveia.

A doença celíaca pode afetar pessoas de todas as idades, mas, na maioria das vezes, suas manifestações começam já na infância. Como o intestino delgado é o órgão mais atingido, os principais sintomas incluem diarreia crônica, perda de peso e fraqueza. Mesmo em indivíduos geneticamente predispostos, a doença pode não apresentar nenhuma manifestação em determinadas fases da vida.

No entendimento atual, a doença celíaca não tem cura, sendo que, até o momento, o único tratamento eficaz é a adoção de uma dieta totalmente isenta de glúten.

Sinais e Sintomas da Doença Celíaca

Os sinais e sintomas de doença celíaca podem variar, desde manifestações leves até situações graves. Muitos indivíduos adultos são portadores de uma forma bastante branda da doença, apresentando apenas fraqueza e anemia ou eventuais desconfortos abdominais, como flatulência e distensão abdominal. Em geral, os sinais e sintomas são devidos à má absorção e à desnutrição decorrentes da doença.

Existem diferentes sinais e sintomas da doença celíaca. Os mais comuns são:

  • dores de estômago;
  • gastrite;
  • cólicas abdominais;
  • flatulência;
  • diarreia;
  • presença de sangue e de gordura nas fezes;
  • fezes com odor fétido;
  • dores ósseas e nas articulações;
  • retardo no crescimento em crianças;
  • edema;
  • anemia ferropriva (por deficiência de ferro);
  • desnutrição;
  • câimbras musculares;
  • perda de massa muscular;
  • deficiência de nutrientes específicos como as vitaminas B12, D e Potássio.

Uma manifestação dermatológica associada à doença celíaca é a queratose pilar, também conhecida como “pele de galinha”. É uma condição na qual aparecem elevações duras da pele, principalmente em torno das coxas, braços e bochechas. Eles se parecem com a pele arrepiada, mas são permanentes.

Pacientes com sensibilidade ao glúten também podem apresentar instabilidade emocional e mental, chegando à depressão, ansiedade e mudanças drásticas e bruscas de humor. Dentre outras manifestações, o paciente pode ter dor de cabeça persistente e crises de enxaqueca.

Diagnóstico da Doença Celíaca

O diagnóstico clínico da doença celíaca é difícil, uma vez que existem outras doenças que podem se manifestar com os mesmos sinais e sintomas.

Algumas doenças com sintomas e sinais similares são: insuficiência pancreática, doença de Crohn do intestino delgado, síndrome do intestino irritável, o pequeno crescimento excessivo de bactérias intestinais, entre outras. Por essa razão, o diagnóstico é realizado por exames de sangue e confirmado por biopsia do intestino.

Os exames de sangue que são específicos para o diagnóstico a doença celíaca incluem a pesquisa de anticorpos antigliadina, antiendomísio e anti-transglutaminase. A biópsia do intestino delgado, que consiste na coleta de alguns fragmentos da mucosa intestinal por endoscopia é considerada o teste mais adequado para a doença celíaca. Os fragmentos são examinados com diferentes técnicas de microscopia.

*Dr. Adagmar Andriolo é médico patologista clínico, doutorado em Patologia, professor associado da disciplina de medicina laboratorial na UNIFESP (Escola Paulista de Medicina). É editor chefe do Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, ex-presidente da SBPC/ML – Sociedade Brasileira de Patologia Clínica / Medicina Laboratorial. Escreve sobre seus exames no Mundo dos Exames, plataforma que auxilia pacientes a entender com detalhes seus pedidos de exames e encontrar o melhor laboratório para realizá-los.